segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Salve Zumbi, grande guerreiro!


Há 312 anos o maior líder negro, que se tem notícia na história do Brasil, era brutalmente assassinado. Zumbi morreu, por defender uma sociedade igualitária e justa. Mas a sua luta permanece viva na memória de todas as pessoas que fazem parte da luta anti-racista.

Conheça um pouco da História de Zumbi, o grande líder de Palmares

Zumbi nasceu livre, em Palmares, provavelmente em 1655, e, segundo historiadores, seria descendente do povo imbamgala ou jaga, de Angola. Ainda na infância, durante uma das tentativas de destruição do quilombo, ele foi raptado por soldados portugueses e teria sido dado ao padre Antonio Melo, de Porto Calvo (hoje, em Alagoas), que o batizou de Francisco e ensinou-lhe português e latim. Aos dez anos tornou-o seu coroinha.

Com 15 anos, Francisco foge, retorna a Palmares e adota o nome de Zumbi - termo de significado incerto. O nome de Zumbi apareceu pela primeira vez em 1673, em relatos portugueses sobre a expedição chefiada por Jácome Bezerra, que foi desbaratada pelos quilombolas.

Aos 20 anos, Zumbi destacou-se na luta contra os militares comandados pelo português Manuel Lopes. Nesses combates, chegou a ser ferido com um tiro na perna.

Em 1678, o governador de Pernambuco, Pedro de Almeida, propõe a Palmares anistia e liberdade a todos os quilombolas. Segundo o historiador Edison Carneiro, autor do livro "O Quilombo dos Palmares", ao longo dos quase 100 anos de resistência dos palmarinos, foram inúmeras as ofertas como essa.
Ganga Zumba (possivelmente um título - nganga significa sacerdote, e nzumbi "possui conotações militares e religiosas", segundo Funari), então líder de Palmares, concorda com a trégua, enquanto Zumbi é contra, por argumentar que o acordo favoreceria a continuidade do regime de escravidão praticado nos engenhos. Zumbi vence a disputa, é aclamado líder pelos que discordavam do acordo e, aos 25 anos, torna-se líder do quilombo.

Ao longo da vida, Zumbi teria tido pelo menos cinco filhos. Uma das versões diz que ele teria se casado com uma branca, chamada Maria. Ao longo de seu reinado, Zumbi passou a comandar a resistência aos constantes ataques portugueses.

Em 1692, o bandeirante paulista Domingo Jorge Velho, uma espécie de mercenário da época, comandou um ataque a Palmares e teve suas tropas arrasadas. O quilombo foi sitiado e só capitulou em 6 de fevereiro de 1694, quando os portugueses invadem o principal núcleo de resistência, a Aldeia do Macaco.

Ferido, Zumbi foge. Baleado, ele teria caído de um desfiladeiro, o que deu origem à história de que teira se suicidado para evitar a prisão. Resistiu na mata por mais de um ano, atacando aldeias portuguesas. Em 20 de novembro do ano seguinte, depois de ser traído por um antigo companheiro, Antonio Soares, Zumbi é localizado pelas tropas portuguesas.

Preso, Zumbi é morto, esquartejado, e sua cabeça é levada a Olinda para ser exposta publicamente. Até hoje muitos acreditam que o líder quilombola é imortal.

Um comentário:

Hip-Hop disse...

Salve, Salve Negrada...Antigamente Quilombo, hoje Periferia!

O Guerreiro deu sua vida por nossa Liberdade, a liberdade de ir e vim, a liberdade de expressão que temos hoje é graças ao comandade Zumbi, anos passaram-se mas sua ideologia e proposito ficaram cada vez mais forte, tão forte que hoje tem "branco querendo ser preto" há que irônia....ahahaha! como diria o Preto Mano Brown, lider do grupo de Rap Racionais, racionais somos nós que temos uma história pra contar aos nossos filhos, netos e bisnetos, pois falamos este refrão juntos ....
"Os Heróis nunca morrem, porque ele estará sempre dentro de nós..."


Muita Paz.
JahRastafariman

Slim
Membro da Nação Hip-Hop Brasil/PE